Após uma série de adiamentos, a placa padrão Mercosul foi aprovada pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) e começará a ser utilizada pelo Brasil em setembro de 2018. A decisão do órgão foi divulgada em março, no Diário Oficial da União. O texto da resolução determina que carros novos deverão utilizar o novo modelo a partir de setembro. Mas o prazo final para que toda a frota esteja atualizada é até 2023.

O novo design foi desenvolvido pelo grupo sul-americano e já é utilizado na Argentina e Uruguai. As novas placas terão um fundo branco e uma tarja azul na parte superior. No lado esquerdo, haverá o logo do Mercosul. Do lado direito, a bandeira da federação. E no centro da tarja azul, o nome do país. Abaixo da bandeira, ficará a identificação do estado e da cidade. Segundo a resolução do Contran, todas as placas terão sete caracteres alfanuméricos estampados em alto relevo. A combinação aleatória das letras e números será fornecida pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Hoje, a identificação é formada por três letras e quatro números. O tamanho das placas segue igual (40 centímetros de comprimento por 13 de largura).

A regulamentação da nova placa também valerá para motos e caminhões. Além disso, ela abrange a implementação de um chip de identificação. Esses chips serão produzidos pela Casa da Moeda e compartilharão os dados com outros órgãos, permitindo integração com as polícias, com a Receita Federal e as receitas estaduais. Os chips também proporcionarão acesso a sistemas de portões e cancelas, permitindo liberação automatizada em pedágios e estacionamentos.

Além do chip, as placas terão marca d’água com o nome dos países que compõem o grupo, grafadas na diagonal, e código de barras bidimensional (Qr Code). Segundo o Ministério das Cidades, o novo sistema irá padronizar e facilitar a identificação dos veículos que circulam nos países sul-americanos. A mudança também ajudará no controle sobre infrações dos veículos.

Com a nova resolução do Contran, apenas o Denatran poderá credenciar as empresas fabricantes de placas, diferentemente do modelo atual, de responsabilidade de cada órgão de fiscalização estadual (Detrans). Com isso, o custo da chapa será padronizado nacionalmente. De acordo com o ministério, estudos técnicos indicam que o valor do custo de fabricação da placa será menor do que os praticados atualmente no mercado.

Deixe sua transportadora pronta para enfrentar mudanças, confira os benefícios do Software Frota Certa. 

Sefaz Encerra Download De NF-E E CT-E No Dia 01/11

Como fazer um bom controle de combustível na sua frota

NFe 4.0 o que muda?